Om + Gustavo Costa @ Passos Manuel

01Feb11

31 de Janeiro, Passos Manuel, Porto
Texto por André Forte / Fotos por Ana Beatriz Rodrigues

Cheirava a marijuana no Passos Manuel, na noite de segunda-feira. Pudera: os OM iam passar pelo palco do cinema portuense e não se desejava outro estado que não o mais meditativo possível, o mais cambaleante. E foi, realmente, uma sessão de música inebriante.

Iniciadas as festas pelas mãos de Gustavo Costa e do seu Most People Have Been Trained To Be Bored, em que o músico nortenho hipnotizou a audiência através de uma sucessão de loops electrónicos, adornados por mil e um instrumentos de percussão, que é, de resto, a sua especialidade.   

Numa aparente aleatoriedade, o baterista apresentou uma desafiante primeira parte para as atenções, sem nunca se abstrair da musicalidade, tão difícil de não perder num experimentalismo contínuo à base de percussões.

Mas era para OM que o cheiro extasiante a oriente fumável pairava no ar. Arrependamo-nos, os que não se juntaram às práticas menos lícitas. Al Cisneros e Emil Amos, acompanhados pelo possuído Rob “Lichens” Lowe, começando a sua actuação com uma silenciosa Meditation is the Practice of Death, ditaram de imediato o lento ritmo para a actuação espiritual que exalaram dos graves amplificadores.

Impondo o silêncio na plateia do Passos Manuel, absorveram nas suas divagações esotéricas todos os presentes, que ora se perdiam em gestos de sonolência provocada, ora cabeceavam pesadamente ao ritmo dos baixos do guru Cisneros, cantando as suas preces de God is Good (que tocaram na íntegra), Pilgrimage e Conference of the Birds.

Nem mesmo a paranóica interacção do ex-Sleep com os seus amplificadores, alterando e modelando constantemente o som até praticamente ao fim do concerto, conseguiram quebrar o encantamento emanado pelos OM, ora intensificado pelas distorções e pelos rápidos e precisos brakes de bateria, ora pelo quase-surdo pizzicato de Cisneros.

Muito resumidamente, foi uma noite em que todos comungámos de um amor secular pelo riff e pelos ritmos arrastados. Atentamente, o Passos Manuel fez questão de escutar o evangelho segundo os OM; e toda a gente provou o pecado mais saboroso: o prazer de saber que há música que, na sua simplicidade, consegue ser maior do que ideias. O transe ininterrupto de Lichens que o diga. O estado hipnótico da sala que o diga.

Advertisements


2 Responses to “Om + Gustavo Costa @ Passos Manuel”


  1. 1 Al Cisneros em entrevista: “Temos claras intenções de regressar assim que acabarmos o novo álbum” « Ponto Alternativo

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s


%d bloggers like this: