Archive for November, 2010

Walking Far From Home, música no novo album dos Iron And Wine, pode ser ouvida online através do myspace da banda. Ou então logo aqui. Continua a ler para ficares a saber como.


O lisboeta Lux começa a ser paragem obrigatória na rota de apresentação dos projectos nacionais. Vimos por lá os peixe:avião; os Linda Martini também lá apresentaram o seu Casa Ocupada; foi lá também que os PAUS se muniram de convidados especiais para o concerto “Só desta vez”, e, agora, os Balla escolheram o local para mostrar o seu Equilíbrio” ao público da capital.


Os Hurts vão editar um single de Natal no próximo dia 14 de Dezembro, chamado All I Want For Christmas Is New Year’s Day.


Os Uxu Kalhus festejam o seu décimo aniversário com a edição do DVD ’10 anos de Folk em Português’. Para lançá-lo, a banda promete não uma, mas duas festas. A primeira é na invicta, dia 4 de Dezembro, mais precisamente no Hard Club. A segunda é na capital, no Clube Oriental de Lisboa, no dia 11 deste último mês do ano.


Os Cosie Cherie dão continuidade à tarefa de apresentar ao vivo o seu EP de sereia, Making Magic Floating Boats.


Era uma noite fria a que aguardava a estreia em Portugal de Imogen Heap. A cantora e compositora inglesa veio provar que ainda existem músicos profundamente inovadores, criativos e que muito há por inventar, assinando um concerto memorável. Imogen, quebrando todos os protocolos, foi a primeira a pisar o palco da Aula Magna – sem pompa, a sua entrada deu-se subitamente, para surpresa geral. E se, naturalmente, se pensaria que Lisboa seria a anfitriã da artista britânica, rapidamente ela virou tudo do avesso e fez-nos sentir convidados, como se estivéssemos na sua sala de estar. Espalhando simplicidade e simpatia, conquistou sem grande esforço o público mesmo antes de tocar qualquer tema.


No último domingo, caso me tivessem oferecido a oportunidade (remunerada) de ser segurança em Parkway Drive eu não aceitaria. Não faz o meu estilo e, simplesmente, há concertos onde não vale a pena oferecer resistência à multidão. Nem mesmo a plataforma, colocada à frente do palco para os stage divers, parecia capaz de suster o ímpeto daqueles que se renderam aos seus ímpetos mais voláteis. Foi a descompressão geral. E é para isso que os cinco australianos viajam meio mundo… Para, no final, terem a certeza de que as suas vibrações negativas (e as dos outros) ficam agarradas ao chão e às paredes dos recintos por onde passam. O (cheio) Santiago Alquimista não foi excepção.